Notícias » 17/07/2017

320 anos da morte de padre Antônio Vieira, o imperador da língua portuguesa

Conhecido como o imperador da Língua Portuguesa – título dado pelo poeta e escritor Fernando Pessoa –, Padre Antônio Vieira é um dos personagens mais influentes do século XVII. No dia 18 de julho comemoram-se os 320 anos da sua morte.

Nascido em Portugal em 1608, Vieira veio para o Brasil com a família quando tinha 7 anos. Seu pai foi funcionário do império português. Aos 15 anos, ingressou na Companhia de Jesus. Em 1634 já era sacerdote e começou a evangelizar e a escrever seus sermões.

O religioso combateu incansavelmente a exploração dos povos indígenas no Brasil, defendeu a liberdade dos judeus, perseguidos na época pela Inquisição da Igreja Católica e a abolição da escravatura.

Padre Vieira foi um grande e produtivo escritor do barroco em língua portuguesa, filósofo e orador da Companhia de Jesus. Além de deixar mais de 500 cartas e profecias que estão no livro “Chave dos Profetas”, escreveu cerca de 200 sermões. Entre eles o “Sermão da Sexagésima” e “História do Futuro”, livro profético onde previu o aparecimento de um “Quinto Império”, no qual reinaria a paz na vitória da cristandade. A organização dessa obra é o também do padre jesuíta José Carlos Brandi Aleixo e lançado pela Universidade de Brasília.

“Vieira foi um grande pregador, um homem que unia conhecimento. Ele teve uma experiência que muitos escritores não tiveram”, destaca padre Aleixo.

Defensor da honestidade e seriedade na vida pública, em 1640, aos 33 anos, padre Vieira voltou a Portugal com uma comissão de apoio ao novo rei Dom João IV, participou ativamente da vida política da época. Homem de confiança do imperador realizou importantes missões diplomáticas pela Europa (1641-1661).

Consideradas absurdas, suas ideias foram rejeitadas e Vieira retornou ao Brasil e se estabeleceu no Maranhão. Sendo expulso da região por conflito com os poderosos. De volta a Portugal, foi condenado à prisão pela Inquisição por defender posições favoráveis aos índios e aos judeus. “Ele criticava o comportamento de muitos membros da santa Inquisição. Era um homem do diálogo inter-religioso”, disse Aleixo. Condenado, ficou preso por dois anos (1665-1667) em Coimbra sem acesso aos livros e foi impedido de pregar.

Dois anos depois, em 1669, foi anistiado e seguiu para Roma onde ficou até 1676. Cinco anos depois voltou ao Brasil, onde se dedicou à literatura e organizou seus sermões para publicação. Padre Antonio Vieira morreu aos 89 anos, em 1697, no Colégio que atualmente leva seu nome e é patrono, em Salvador (BA). Sua vocação jesuítica ficou marcada pela sua capacidade na oratória e na escrita em prosa que ele usava como meio de doutrinar e interferir no curso dos acontecimentos sociopolíticos.

Padre Aleixo finaliza enfatizando que Vieira foi um homem à frente do seu tempo. “Ele defendeu as minorias e condenou o mau uso do poder. Além de lutar contra a corrupção”.

Por CNBB

Liturgia diária
Avisos paroquiais

1. A Catequese de Adultos já iniciou, aos que desejarem receber o Sacramento do Batismo, Primeira Eucaristia ou Crisma, procure a secretaria para maiores informações dos encontros de preparação. 2. A Comunidade São Benedito continua com a venda das panquecas para o dia 09 de dezembro. A vasilha com 6 panquecas por apenas R$20,00. Adquira

Conheça
Enquete
Quais trechos da Bíblia você consulta mais?
Ver o resultado
Previsão do tempo