Comunidade Nossa Senhora da Candelária

O terreno onde está construída a igreja foi doado pelo Sr. Horácio Lavras, proprietário da antiga Fazenda Candelária. A construção foi em forma de mutirão pela comunidade do bairro e adjacências, bem como a doação de todo material utilizado. Em 10 de março de1943 foi colocada a pedra fundamental pelo Pe. Ciríaco da Paróquia de Monte Mor.


Atividades
Santa Missa: domingos, às 9h30.
Catequese: domingos, às 8h30.
Crisma


Endereço
Comunidade Nossa Senhora da Candelária
Rua Vegas, s/n – Cruzeiro, Sumaré – SP, Cep: 13170-000


View Paróquia Sant’Ana de Sumaré, SP – Arquiocese de Campinas in a larger map


Nossa Senhora da Candelária
Data de comemoração: 15 de Agosto

A imagem da Virgem da Candelária já estava na ilha de Tenerife antes de sua conquista. Segundo o Padre Espinosa, foram dois pastores de Güimar que a acharam sobre uma rocha, na praia de Chimisay.

A pesquisadora Nilza Botelho Megale em seu livro “Invocações da Virgem Maria no Brasil”, apresenta um excelente resumo da história da chegada desta devoção ao Rio de Janeiro e também sobre o aparecimento da imagem da Candelária em Tenerife:

“Contam que, por volta de 1400, dois pastores guardavam seus animais perto de uma caverna na ilha de Tenerife, nas Canárias, e observaram certo dia que o gado se recusava a entrar na lapa, apesar de todos os seus esforços. Penetraram, então, na gruta e descobriram a imagem de uma Senhora com o filho ao colo. Estranhando o ocorrido, foram notificar o seu povo. Acudindo a população, inclusive o rei do país, ao local, observaram maravilhados a existência de numerosas candeias (velas) sustentadas por seres invisíveis, que com seus cânticos ‘ensinavam a maneira de render culto a Deus e à Virgem Maria. Começaram os nativos a honrar Aquela que amavam sem conhecer, até que um cristão espanhol casualmente ali desembarcou nos fins do século XV e explicou-lhes o mistério”.

A imagem original desapareceu no dia 17 de novembro de 1826 devido a uma inundação provocada por uma forte chuva que carregou um barranco que circundava o Santuário. Era entalhada em madeira dourada e policromada. Sua altura era de um metro. O Menino se encontrava em seu braço direito e o esquerdo trazia uma candeia de cor verde. Várias representações em quadros permitem conhecer suas formas antes de seu desaparecimento.

É provável que a imagem tenha chegado à Ilha na metade do século XV, trazida por missionários franciscanos. A imagem atualmente venerada é obra do artista Fernando Estévez, que a esculpiu em 1827.

O primeiro Santuário, cuja construção foi concluída em 1672, foi atendida pela Ordem Dominicana. Possuía um belo retabábulo, infelizmente destruído por um incêndio em fevereiro de 1789.

Na metade do século XIX tiveram início as obras do atual templo, que se deram de forma muito lenta. Recebem um novo impulso em 1930 com o projeto de Eladio Laredo, que foi sucedido pelo arquiteto Marrero Regalado. Hoje contempla-se uma bela igreja de planta clássica com três naves, um cruzeiro e um campanário.

A festa de Nossa Senhora da Candelária é celebrada anualmente no dia 15 de agosto. Nesse dia acorrem ao santuário peregrinos de todas as ilhas, que vêm prestar homenagem à sua padroeira.

Em 1867, a pedido do bispo das Canárias, Lluch y Garriga, o papa Pio IX declarou Nossa Senhora da Candelária como padroeira de todo o arquipélago. A coroação da Virgem e seu Filho ocorreu no dia 13 de outubro de 1889 pelo bispo Dom Ramón Torrijos Gómez, privilégio concedido pelo papa Leão XIII através de decreto assinado no dia 14 de julho de 1889.

A imagem de Nossa Senhora da Candelária é igual à de Nossa Senhora das Candeias, da qual é variante.

Liturgia diária
Avisos paroquiais

Na quinta-feira (04 de Maio) às 20h inicia a novena em louvor a Nossa Senhora de Fátima, no bairro Casarão. Acompanhe a programação dos demais horários no mural de avisos. A festa social da Comunidade N. Sra. de Fátima será neste final de semana e no próximo 06 e 07 de Maio a partir das

Conheça
Enquete
Quais trechos da Bíblia você consulta mais?
Ver o resultado
Previsão do tempo